Os fracos desistem. Os fortes persistem.


Desistir…
É a forma mais sublime de não agressão a ti mesmo.
Quando desistes, estás a contemplar o teu ego, a tua personalidade.
Desistir é dizer que é o outro que é responsável, que é culpado pelo que te acontece. É olhares para o passado e não te perdoares. É esperares do futuro muito pouco e acreditares que és vítima das circunstâncias.
Quando desistes de algo, na realidade desistes de ti. Deixas de acreditar que és único e que podes contribuir com a tua singularidade para o projecto comum.
Quando dizes “desisto”, deixas que o mundo se imponha, que te dite o que deves ser, fazer ou ter.
Deixas de ser tu mesmo para passares a ser o que os outros querem que tu sejas.
Camuflas desistir com aceitação.
Aceitação é estar grato ao momento. É aproveitar a situação para crescer, para te desafiares.
Desistir é resignares-te. É querer, mas não ter forças para…
És verdadeiramente forte quando enfrentas o obstáculo.
Já que queres desistir. Então sê forte e desiste de desistir e persiste. Persiste até que desistas de desistir.
Desistir trás culpa e remorso. Persistir trás resiliência e conquista.
Não tentes fazer. Faz.
Começa por fazer o que é necessário, depois o que é possível e acabarás por fazer um impossível.

Um comentário: